A menina que roubava livros… e fotos!

Quando eu comecei a escrever o blog eu não parei muito pra pensar como ele seria, nem o que teria. Aos poucos ele foi tomando corpo e formando sua, digamos, personalidade.

Criei ele pra escrever pra quem quer que tenha vontade de ler, focando principalmente em viagens. Na verdade escrevo pra eu ter um registro dos lugares por onde andei e daquilo que eu gostei, e não para fazer propagando ou algo parecido. Fico feliz quando alguém gosta de algo ou concorda comigo. E quando recebo alguma pergunta relacionada a coisas que eu conheço, me esforço ao máximo para respondê-la.

Além disso, sendo um espaço meu e público, não achei legal ficar expondo a vida de outras pessoas, por isso raramente escrevo nomes de pessoas ou coloco fotos com elas.

Entretanto, quase sempre coloco a foto de outra pessoa. Pessoa essa que estava comigo naquele momento e lugar. Roubo a foto sem pedir permissão, na cara dura mesmo, mas com a certeza de que se alguém se incomodar com isso, vai me pedir pra tirar a foto ou colocar os créditos na boa!

Como foi bom conhecer Montevideo

Catedral na Plaza Matriz

Catedral na Plaza Matriz

Adoro cidades que tu sai com gostinho de quero mais, de voltar aos lugares que gostou e de ir aos que teve que deixar de lado. Na minha primeira ida a Montevideo, não tinha dado tempo pra curtí-la e ver como é legal. Simplesmente por uma questão de organização da minha cabeça, vou escrever sobre  o final de semana mais ou menos na ordem do que fiz por lá 😉

O vôo saiu de Porto Alegre já na madrugada de sábado e como o Uruguai já estava no horário de verão, chegamos ao hostel pelas 3:30. Hostel superbemlocalizado na Ciudad Vieja – primeiro ponto positivo –  do ladinho da Plaza Matriz, que atravessamos para fazer um lanchinho sem problema algum. A sensação de segurança faz com que tu gostes mais ainda do lugar, não?

Antiguidades na praça

Antiguidades na praça

9:30 da manhã todo mundo de pé! Na Plaza Matriz uma feira de antiguidades tomava conta do lugar seguida por uma outra de artesanato na ruazinha que vai até a Plaza Independencia. A Plaza Independencia, que marca o início/fim da Avenida 18 de Julio (a mais movimentada da cidade) tem como ponto alto a estátua e mausoléu do General Artigas – grande herói nacional.

Artigas

Artigas

O topo do prédio pode ser visto de vários pontos da cidade

O topo deste prédio pode ser visto de vários pontos da cidade

Após uma longa caminhada pelo Centro, pegamos um táxi de volta ao hostel e de lá caminhamos até o Mercado del Puerto para o almoço. Mais uma caminhada agradável pelas ruas da Ciudad Vieja, com prédios antigos, mas bem conservados e que mesmo sendo coladinho no porto, é seguro (pelo menos durante o dia). Ah, e o almoço? Escolhemos o tradicional El Palenque, que havíamos visto indicação em mais de um site. Em 7 pessoas ficou fácil pedir um pouco de cada carne e comer uma parrilla deliciosa com cordeiro, assado de tira, chorizo… Para acompanhar batata ao roquefort… nham nham, delícia! Depois de sair do almoço rolando fomos caminhando até… o Freddo! Tudo bem, a gente já tinha caminhado bastante e ainda bem que comemos o sorvete no sábado, porque no domingo tava fechado (que deceps).

Prédios na Ciudad Vieja com o porto ao fundo

Prédios na Ciudad Vieja com o porto ao fundo

A noite de sábado começou no tradicional Fun Fun, escutando um tango muy bueno 😉 Ah, claro que dava pra ir a pé até o bar, mas como não sabíamos fomos de táxi e depois voltamos caminhando e congelando. Para completar, muita ceva no hostel mesmo, se integrando com a galera, que sempre é o melhor de se hospedar em hostel.

Fun Fun

Fun Fun

Montevideo11

Uvita, a bebida tradicional no Fun Fun

O domingo foi curto, já que dormimos até 11 horas e pelas 14 já estávamos no táxi pro aeroporto. Com o dia lindo – o final de semana foi todo espetacular também nesse sentido – a pedida foi uma ótima caminhada pela Rambla, na beira do Rio (Mar?) da Prata.

A beira-rio uruguaia

A beira-rio uruguaia