Umas pedrinhas no caminho

Nem só de coisas boas é feita uma viagem. E acho que foi por isso que não consegui escrever sobre Itacaré logo na volta da viagem. Não voltei com aquela empolgação sabe?

Como já tinha ido a Itacaré uns anos antes, sabia que o melhor era ter um carro lá. Tendo um carro poderia ficar em qualquer lugar e conhecer todas as praias que gostaria.

Planejei para chegar lá durante a tarde e procurar uma pousada, já que o checkout costuma ser ao meio dia. Cheguei num domingo ou segunda, não lembro, e ficaria até sábado. Encontrei diversas opções com os preços lá em cima… janeiro, alta temporada, não tem o que fazer.

Aí escolhi a que achei o melhor custo-benefício, fiquei na pousada Naínas, que entre as de mesmo valor era a única que tinha piscina, o que seria ótimo ao voltar de uma trilha (Itacaré ferve no verão). Porcaria de decisão!!!

O problema foi que após a terceira noite (seriam 5), antes do café da manhã, a dona nos pediu que saíssemos do quarto porque tinha outra reserva. Como assim??? Não vale a pena colocar aqui um diálogo ridículo, mas segunda ela, gente que viaja sem reserva é aventureiro e tá aberto pra esse tipo de problema. Além disso, reservas por e-mail tem prioridade – claro, pagam mais. Não adiantou nem perguntar se ela se lembrava de ter baixado o valor pra gente justamente por ficarmos 5 noites.

Negócio é que a coisa ficou cada vez mais absurda e pagamos menos ainda do que o combinado. Oi? Será que alguém viu que errou?

A essas alturas as minhas outras opções já estavam lotadas e perdi algumas horinhas procurando uma nova pousada. Claro que fiquei traumatizada com essa coisa de viajar na alta temporada e confio menos nas pessoas. Também não vou generalizar, mas certamente terei mais cuidado nas próximas.

Mais uma pá de praia

Praias em sequência

Já disse aqui no blog que 2010 foi a segunda vez que fui a Itacaré. Também disse que estando numa praia lá, quase sempre existe a possibilidade de ir caminhando a outra. Pois é…

Na primeira vez não deu tempo pra Engenhoca e Havaizinho, já que optei pela Prainha e Jeribucaçu quue pareciam mais bonitas. Depois que fui embora muitas vezes ouvi e li que a Engenhoca era imperdível. Então tá, numa segunda oportunidade não dá pra deixar de lado, né?!

A trilha é uma das mais fáceis, o caminho está bem marcado e lisinho. Pra ir até a Engenhoca primeiro tu chega no Havaizinho. Bem na bifurcação onde se escolhe descer para o Havaizinho ou continuar a trilha para a Engenhoca tem uma barraquinha de côco beeeem gelado. Que delícia, né?! Achei que tava chegando ao paraíso.

Como tinham falado da Engenhoca, bora lá.

Havaizinho e Camboinha

Engenhoca

Posso voltar pro Havaizinho??? É claro que a Engenhoca é linda, não tem praia feia em Itacaré, mas eu curti mais as outras duas da trilha, menores e mais aconchegantes (se é que se pode usar esse adjetivo pra praia). Pequenas, boas ondas e bem do ladinho uma da outra. Acho que a  fama fez com que a Engenhoca receba mais pessoas.

Voltando!!! Olha minha cara de felicidade na trilha.

Rá, claro que não surfo, só seguro a prancha pra ser fotografada

No Havaizinho tinha algumas barracas de tapioca (era verão), já na Camboinha, nadicas. Outras pessoas? Mais 4 só, que aparecem todas na foto abaixo.

Havaizinho

Cantinho da praia