Kuta

Kuta é um mal necessário em Bali. Lá estão os melhores preços para alugar um carro, trocar dinheiro ou comprar bugigangas. A praia eu nem conheci.

Na primeira noite em Bali cheguei super tarde e faminta… direto pra Kuta. Galera na rua, vários bares e festas, música alta por tudo. Como primeira impressão não foi ruim. Escolhemos um restaurante na sorte na Legian – rua que corta diversas praias –  super bonito, agradável e com comida boa (era só um espagueti mesmo :p).

Destino de muitos turistas, agrada quem está em Bali pela festa e incomoda muito quem quer só praia. Fora as 2 ou 3 vezes que fui até lá pra comprar, trocar dinheiro, etc… não fui nem pra uma cervejinha. No fim de tarde dá vontade de largar o carro no meio da rua, tamanha é a confusão. Minha praia é outra!

Aterrisando em Bali

A chegada em Bali é um misto de curiosidade, expectativa, calor, atenção, tensão e muita paciência.

Do saguão do aeroporto até o estacionamento são várias as abordagens perguntando se tu precisas de transporte. Quanto mais tu caminha, mais barato fica o valor do taksi, mas nenhum quer ligar o taxímetro.

Logo que saí do aeroporto o trânsito já demonstrava o seu estilo. Muita moto, buzina e pouco respeito por parte dos motoristas. As ruas são apertadas e bem movimentadas.

Meu primeiro destino foi Kuta, mas apenas para jantar, já que cheguei tarde e lá seria fácil encontrar restaurantes abertos. Bom, é lá que a confusão impera. Música alta dos bares para a rua, com o som de vários deles se misturando, pessoas caminhando de um lado pro outro, meninas convidando pra entrar nas festas…

De boa impressão ficou o restaurante escolhido, comida boa, ambiente legal e bem barato – como em todos os outros que fui. Kuta apesar de ser o destino principal daqueles que querem apenas fazer festa, também parece ter boas opções para uma jantinha mais tranquila (ainda assim com música alta), pelo menos eu me dei bem na escolha.

Claro que eu tava cansada e a parada lá não passou da janta. Bora pra Padang-padang se instalar!