Lakey Peak

Nada além de mar, sol e muito tempo pra descansar. O lugar é isolado, não tem nenhum vilarejo muito próximo e todos lá vivem do turismo, ou melhor, dos surfistas. Com pouca infra-estrutura, os hotéis de Lakey Peak são todos coladinhos no mar e de lá não rola ir pra outros lugares.

Já que não dava pra ficar desbravando muito o lugar – os meninos ficavam pegando onda e nenhuma menina se anima a andar muito longe do hotel – minhas preocupações se resumiam a escolher o sabor do suco e decidir se o próximo mergulho era no mar ou na piscina.

Calor, muito calor. Pra compensar: água! Mineral para beber, da piscina e do mar para refrescar. Não sei se já passei mais calor do que lá. Ficar tomando banho de sol não era muito fácil, o melhor mesmo era dentro do mar… e que mar! Água quente e muito clara. As ondas perfeitas não atrapalham em nada quem só quer nadar. Da areia até onde ficam os surfistas forma-se uma enorme piscina natural por causa de uma barreira de corais – que agrada a todos, já que é nela que quebram as ondas.

Foram vários dias de vida muito boa, que tento mostrar um pouco nas fotos abaixo.

Pôr do sol, da piscina do hotel, na hora da cervejinha

Pôr do sol, da piscina do hotel, na hora da cervejinha

Dentro dágua

Não falei que a água era cristalina?

A casinha é velha conhecida dos surfistas

A casinha é velha conhecida dos surfistas

Anúncios

Já ouviram falar em Sumbawa?

A Indonésia é composta por mais de 18 mil ilhas e conhecer todas acredito ser praticamente impossível! Dentre as que conheci em junho deste ano está Sumbawa.

Mas o que eu fui fazer lá? Fui por causa das ondas, não é óbvio? Claro que pra mim e pra quem não é surfista isso não é nem um pouco óbvio, já que nunca ouvimos falar, mas viajar acompanhada tem dessas diferenças, tu faz coisas que jamais escolheria fazer.

Foi na ida a Sumbawa que tirei a foto de Gili de dentro do avião. O vôo de aproximadamente 40 minutos é tranquilo e o avião nem sobe muito.

O lugar não é muito turístico e a população é extremamente pobre. Acredito que grande parte viva da plantação de arroz, que marca a paisagem da ilha. Foi lá que estive no meio de uma população muçulmana pela primeira vez (ou seria a única?) e pude perceber diferenças chocantes na cultura. Como esperado, mesmo com temperaturas elevadíssimas quase todas as mulheres usam um lenço cobrindo a cabeça, além de roupas que escondem bastante o corpo.

Meu destino em Sumbawa foi Lakey Peak, o ponto mais famoso pra surf lá, com vários picos bem próximos uns dos outros. O trajeto de carro do aeroporto até o hotel foi uma aventura (o da volta nem se fala). O motorista parecia não se dar conta que a rua era um tanto perigosa para a velocidade que andava – rua estreita e com muita gente em volta, além de bichos, bicicletas, arroz secando…

Mas por que eu achei chocante a diferença de cultura? Acho que Lakey Peak foi o lugar mais quente que já estive até hoje e o mar é clariiiinho, em diversos locais formam-se piscinas com água bem quentinha. Só que o povo não costuma tomar muito banho de mar e quando fazem isso estão de roupa. Quando eu e minhas amigas resolvemos ficar na beira da praia pegando  sol não foi muito agradável… diversos homens ficaram tirando fotos nossas e nos olhando como se fôssemos seres de outro mundo. Um experiência diferente e que não me fez sentir bem.

A estrada passa pelo meio das cidades

A estrada passa pelo meio das cidades

As casas são coladas na estrada

As casas são coladas na estrada

Ficava um pouco pior quando apareciam uns bodes

Ficava um pouco pior quando apareciam uns bodes

Alguns dias de silêncio

Viajar é algo que me faz tão bem, que desligo de quase toda a rotina. Os vinte e poucos dias viajando foram maravilhosos e teve um pouco de tudo: praia, cidade, ilha, carro, barco, avião, moto, peixe, camarão, lagosta, água quente, gelada, doce, salgada, sol, pôr do sol, calor, mar, ondas, surf, mergulho… O que rolou bem pouco foi acessar a Internet.

De volta ao mundo real, vou apanhar minhas anotações e publicar aos poucos o que se passou em Sydney, Bali, Sumbawa, Gili e, com uma participação especial no blog, G-Land.