Comidinhas frescas em Londres

Nunca viajo sem pensar no que vou comer. Faz parte do meu planejamento olhar o que eu posso provar de diferente nos lugares onde eu vou.

Só que em Londres o lugar onde eu mais gostei de comer, eu não tinha planejado conhecer. Acabei indo encontrar amigos lá por sugestão deles.

Bem-vindos

Ainda bem que eu sou uma pessoa flexível (!!). Adorei ver um monte de ingredientes diferentes e deu muita vontade de sair dali cheia de sacolas e cozinhar.

O Borough Market é quase como uma das nossas feiras de bairro com produtos diretos do produtor, só que também vende algumas coisas prontas e rola ir beliscando alguns também, como os queijos. Mesmo sem fome é difícil não comer mais do que o planejado.

Era um sábado muito frio e pra congelar um pouco mais, este mercado fica sob uma ponte, onde quase não entra sol direto. Pra me salvar fui apresentada para a versão londrina do quentão, o vinho quente. Uma delícia.

Como não poderia ser diferente, saí de lá com um delicioso pacote de cerejas muuuuito frescas.

Valentine’s day

Flores, flores, flores…

Ai, que lindo.

Eu que adoro ganhar flores me dei super bem nessa viagem a Londres.

Não tinha nada programado, mas foi encontrar essa banca de flores em Camden Town pros meus olhos brilharem e o namorado perceber direitinho o que tinha pra fazer.

Dia 14 de fevereiro é Valentine’s Day, data comemorada em diversos países de maneira bem parecida com nosso dia dos namorados.

E lá fui eu saltitanto pela rua com meu lindo presente.

Será que isso contribuiu pra eu ter gostado tanto da cidade?

Depois a jantinha foi regada a vinho e muita cerveja num pub do bairro. Os pubs de Londres foram outro ponto alto da viagem. Na maioria das vezes entrei sem nenhuma indicação e sempre me dei bem. Comidas e bebidas dos mais variados tipos e super boas em lugares agradáveis.

A volta pra casa foi das mais divertidas com uma louca bobalhona ainda mostrando suas tulipas.

Meu parque preferido

E eu não sei ao certo qual é…

Londres tem uma parque enorme bem no meio da cidade. Só que na verdade são dois: Kesington Gardens e Hyde Park. Como saber onde eu andava e qual gostei mais?

O nome Hyde Park é mais famoso, mas nas fotos abaixo, diversas vezes o que aparece é o Kesington Gardens. Acho que o lago é que divide os dois, mas não tenho nenhuma certeza.

Adorei os bancos

Se não dava pra sentar…

Fiquei hospedada a meia quadra de uma das entradas e no segundo dia em Londres, ao ver o céu super azul, nem pensei em outro programa que não fosse andar pelo parque.

De quem foi a ideia de atravessar o parque a pé dois dias após ter nevado? Sério, caminhei por quase duas horas em meio a uma geladeira! O sol estava ali pra iluminar e só… Quando passamos ao lado do lago só ficou pior.

Tirei algumas fotos, afinal não dava pra perder a paisagem ensolarada, mas na verdade minha vontade era correr até a saída. Falando em correr… como tinha gente fazendo isso e praticando outros esportes! Acho que o povo não tava sentindo o mesmo frio que eu.

Dá pra ver que os pássaros tão caminhando no gelo?

Logo congelado e congelante

De vez em quando eu ainda me divertia tirando foto

Não dá pra negar que ficou tudo mais lindo coberto de branco. Um contraste perfeito entre a neve, grama e árvores sem folhas.

Não fosse congelante demais, seria super romântico.

Só pra eu gostar mais um pouco do parque

O parque fica lindo com neve

Adorei esta foto

Quem nao sonha em ver as plantinhas cobertas de neve?

London London

Por que nunca tinham me dito que eu iria gostar tanto da cidade?

Super espontânea

Tá, várias pessoas me disseram que eu deveria conhecer Londres, mas ninguém me disse que ia amar. E eu nem sei dizer porque gostei tanto, mas pra mim tem tudo de bom que uma cidade deve ter. Muitos parques, museus – sendo a maioria de graça, bastante programação na rua e sempre uma loja diferente ou um café agradável pra entrar.

A cidade é plana, perfeita para longas caminhadas intercalando com trechos de bicicleta. Os clichês londrinos estão por toda parte. Dá pra ver pelas fotos né?

Red buses

Bus personalizado

Bikes para aluguel

Não me interessa o quanto digam que ela é cinzenta. Em uma semana na cidade vi várias vezes o sol, tendo passado inclusive um sábado super ensolarado – não que isso tenha amenizado o frio, mas foi suficiente pra me deixar bem feliz para fotografar os pontos turísticos mais famosos.

St. James Park

A gente tava quase igual

St. Paul’s Cathedral

O frio atrapalha um pouco, no inverno o dia acaba mais cedo, mas ao mesmo tempo a paisagem fica linda e aproveitamos a noite sem ter que ir dormir muito tarde. Fiquei impressionada com a quantidade de gente andando na rua.

Tudo bem que estava na região central, mas era muita gente mesmo.

Imagina no verão

Piccadilly Circus

Louca pra voltar no verão!!!

Fazendo amigos em Punta

Oi

Eu e meus títulos bobos.

Na verdade o post é pra mostrar um passeio clássico na cidade:  andar pelo cais😉

É um lugar diferente, mas ótimo para uma caminhada

Não faltam motivos pra ir até ali e é super fácil chegar, já que está bem perto da área mais movimentada de Punta del Este, a avenida Gorlero.

Centenas de barcos de todos tamanhos e de diversos países estão lado a lado com os moradores de sempre, os lobos-marinhos. Eles parecem não se incomodar com tanta platéia e ficam se exibindo para as fotos. Quem diria que existen lobo- marinhos estilosos?!

Olha o punk!

Diariamente diversos pescadores vendem seus produtos super frescos ali mesmo e taí mais um motivo para ir até lá. É possível comprar diferentes frutos do mar e muitos tipos de peixe sem ter dúvida da qualidade ou procedência.

Quem também ganha com isso são nossos amigos, que não passam trabalho pra se alimentar bem. Ok, agora deu pra entender porque eles ficam tão faceiros ali. O golpe é mais embaixo😉

Pessoal garantindo a refeição dos lobos marinhos

E como já falei antes, os barcos também são uma atração do lugar. Tem grandes, pequenos, estilo bote, imensos, velhos, novos, modernos… Tem gente que vai a Punta e nem se preocupa em reservar hotel, preferindo o conforto do seu barco.

Imagem do cais

Alguns barcos de babar!

Tem todo tipo de veleiro também

Laguna Garzón

Do ladinho de casa, um lugar onde quanto mais o dia passa, mais lindo fica. Várias coisas chamam a atenção, sejam naturais ou não. Uma ponte incabada, a balsa que é levada por um barco menor que os carros que carrega e equipado com um motor meia boca e um pôr do sol…. hum, sem palavras.

Velas e pipas pra colorir

Durante o dia a lagoa é tomada pelos mais diversos veículos aquáticos. Caiaques, windsurfs, barcos a vela e a maioria esmagadora de kitesurfs. São dezenas de pipas multicoloridas, impossível contar, e difícil de acreditar que não enrolem umas nas outras.

Juro que tem muito mais kite do que se pode ver

Na foto acima dá pra ver um dos motivos por eu ter achado a lagoa tão diferente. Ela está junto ao mar, bem juntinho. Apenas uma estreita faixa de areia separa os dois.

Se de uma lado da lagoa já é legal, a travessia é uma aventura e o outro lado é mágico.

Coragem de entrar na balsa?

Então vamos

O parceiro curte 0 passeio

Se eu já tinha gostado de passar o dia no outro lado da lagoa, quando fui parar entre ela e o mar para ver o pôr do sol, me apaixonei para sempre. No fim de tarde é sempre um espetáculo.

Olha onde eu cheguei!

E a ponte ali...

Sei que tou sendo repetitiva

Mas é a foto com tudo que achei de mais lindo: lagoa, mar, uma pequena faixa de areia e o pôr do sol.

Já tinha mostrado o pôr do sol aqui e não me canso.

Em outro ponto, as cores bem diferentes do mesmo pôr do sol

José Ignacio

Já acumulo 3 carnavais no litoral Uruguaio. Um pingando de praia em praia, outro em Punta del Diablo e o terceiro nesta pequena península ao norte de Punta.

O lugar é super disputado, mas também muito pacato.

Todo movimento da estrada à noite

Como pode isso?

O agito acontece basicamente durante o dia na beira da praia. À noite apenas alguns restaurantes com um clima bem intimista, meio escondidos inclusive, recebem os turistas que ficam até mais tarde.  Além disso, são poucas as opções de hospedagem em José Ignacio e não existe festa por ali.

Quem quer curtir os famosos paradores uruguaios combinado com uma jantinha no aconchego de sua casa pode ir sem medo de ser feliz. Barulho depois do pôr do sol? Só o das ondas. É muita tranquilidade.

O farol é um dos mais bonitos do país

A luz fraca dos postes, as casas simples de linhas retas e enormes paredes de vidro, as ruas sem pavimentação… cada coisa contribui do seu jeito para deixar tudo mais charmoso e com jeitinho de vilarejo despretencioso. Sem dúvida essa é a combinação que me faz gostar tanto das praias uruguais.

Viva o Uruguai

Todo mundo sabe que o Rio Grande do Sul é o estado com o litoral menos bonito do Brasil. Se tu não sabias, não recomendo pagar pra ver. O mar é agitado, frio e tende a ser marrom. Além disso nosso amigo nordestão – apelido carinhoso da ventania típica da região – marca presença inverno e verão. Quem se importa? Quando chega janeiro o povo se toca pra estrada e invade nosso litoral como se fosse o melhor lugar do mundo.

Claro que a vontade do gaúcho é ir pra Santa Catarina todo final de semana, mas só quem tem mais tempo ou disposição pra isso é que realmente vai. O vizinho praticamente humilha meu querido Estado e tem as praias mais belas e diversificadas do país (tudo opinião pessoal).

E o que o Uruguai tem a ver com isso? Ele fica pro lado contrário, o que garante estradas infinitamente mais livres, e tem uma variedade de atrativos que não vemos aqui na terrinha.

O tempo de estrada Porto Alegre – Punta del Este pode parecer muito maior do que Porto Alegre – Florianópolis, mas eu garanto por experiência própria que em qualquer feriado vamos levar as mesmas 8 horas para Punta e em torno de 12 horas até Floripa. Ah, tem Garopaba, Praia do Rosa e Guarda do Embaú em SC, assim como tem Punta del Diablo, La Pedrera e La Paloma no Uruguai, só que a praia de destino não muda muito essas contas de horas na estrada prum lado ou pro outro.

Como eu tou falando em viagem de carro, é inevitável uma parada nos freeshops das cidades da fronteira. No meu caso eu paro na ida e na volta😀. Garanto umas bebidinhas a preços incríveis pros dias de feriado e completo minha adega na volta – claro que sem nunca resistir às imensas prateleiras de cosméticos e maquiagens.

Ainda na lista de bons motivos pra ir ao Uruguai tem tudo que se come por lá… sorvete, alfajor, parrilla, queijos e tudo o mais que tiver dulce de leche. Putz, tá me dando muita vontade de ir escrevendo este post… depois de 4 ou 5 verões seguidos, neste início de ano não tenho planos nem feriados livres pra ir.

E tem mais. Todo o país é muito seguro, o que me deixa triste quando penso que temos o mesmo para sermos iguais, mas parece que só pioramos nesse quesito.

Bueno, continuando com o lado bom das coisas, nada melhor do que alguns dias praticando espanhol pra fazer valer por meses de aula. É algo espontâneo, que aprendemos naturalmente. Duvido alguém passar aperto. Sem falar na educação e boa vontade do povo.

Precisa de mais algum motivo?

O mar?

Ah pois é….

O mar uruguaio não é uma delícia. É melhor que o do litoral gaúcho sim, especialmente para o surf. Só que depois de tudo que escrevi acima, não vai ser por ele que alguém deve se animar a atravessar a fronteira. Concorda?

Qualquer pergunta pode ser feita neste guichê, mas prometo alguns posts sobre lugares específicos nos próximos dias. Minha tag Uruguai tá bem fraca ainda.

Mairinha no mundo da lua…

…não é só viagem não.

Também tem planejamento, devaneio e aflição.

O blog foi criado sim para que eu tivesse um lugar especial pra escrever sobre os lugares por onde eu ando, mas também falar das viagens que ocorrem dentro da minha cabeça e tudo mais que der vontade.

O coitado ficou de lado nos últimos meses porque toda minha energia em horário livre está indo pro meu ap novo.

O verão vem chegando, meu aniversário também e claro que uma viagem de férias não poderia faltar.

Já são meses escolhendo móveis, eletrodomésticos e destinos de praia.

Nas três últimas semanas comprei sofá, fechei o roteiro, marquei algumas passagens e fiquei muito ansiosa pra fechar a parte mais especial da viagem pra mim.

Acabei de fazer isso.

E eu continuo sem uma geladeira.

Vários pontos turísticos num só

Vários dos pontos turísticos mais famosos de New York são prédios. A cidade tem muitos arranha-céus (em geral é a altura que chama a atenção) e o mais famoso entre os famosos é o Empire State Building. Vamos conhecer ele então.

Bem-vindo!

Ficar subindo até o topo dos prédios não é meu esporte preferido e este foi o escolhido por ser o mais famoso, mais central e mais clássico deles.

A subida, que tem direito a troca de elevador no meio do caminho, não tem graça nenhuma. A diversão é a paisagem em volta e lá de cima dá pra ver muita coisa mesmo.

As pontes que tanto falei

A moça mais famosa da cidade

Prédios de todos os tipos e tamanhos

Chrysler Building e Trump World Tower

Flatiron Building

Tá vendo como dá pra conhecer toda a cidade sem cansar nem gastar muito? Achou que faltou alguma coisa? Então vou mostrar mais.

A vista do sul da ilha

A vista para o Central Park não poderia faltar

De novo

fotodeturista

Tá gente, é brincadeira, vale muito a pena gastar mais um pouco de dinheiro e sola de sapato pra conhecer tudo de pertinho. Já mostrei bastante coisa por aqui e também contei porque deixei de ir a alguns lugares. Só que não tenho dúvidas que a cidade vista de cima é deslumbrante e quero muito voltar a NY e repetir isso no pôr do sol pra depois ver todos esses prédios iluminados lá do alto.

Uma coisa que só me dei conta lá é que a cidade tem mesmo muitos prédios altos. Achei que alguns deles chamariam atenção enquanto eu tivesse caminhado pelas ruas, mas são tantos que só de muito perto ou de um lugar alto ou distante é que eles se destacam.

Aiai, que vontade de caminhar de novo por essas ruas.