Comidinhas frescas em Londres

Nunca viajo sem pensar no que vou comer. Faz parte do meu planejamento olhar o que eu posso provar de diferente nos lugares onde eu vou.

Só que em Londres o lugar onde eu mais gostei de comer, eu não tinha planejado conhecer. Acabei indo encontrar amigos lá por sugestão deles.

Bem-vindos

Ainda bem que eu sou uma pessoa flexível (!!). Adorei ver um monte de ingredientes diferentes e deu muita vontade de sair dali cheia de sacolas e cozinhar.

O Borough Market é quase como uma das nossas feiras de bairro com produtos diretos do produtor, só que também vende algumas coisas prontas e rola ir beliscando alguns também, como os queijos. Mesmo sem fome é difícil não comer mais do que o planejado.

Era um sábado muito frio e pra congelar um pouco mais, este mercado fica sob uma ponte, onde quase não entra sol direto. Pra me salvar fui apresentada para a versão londrina do quentão, o vinho quente. Uma delícia.

Como não poderia ser diferente, saí de lá com um delicioso pacote de cerejas muuuuito frescas.

Anúncios

Valentine’s day

Flores, flores, flores…

Ai, que lindo.

Eu que adoro ganhar flores me dei super bem nessa viagem a Londres.

Não tinha nada programado, mas foi encontrar essa banca de flores em Camden Town pros meus olhos brilharem e o namorado perceber direitinho o que tinha pra fazer.

Dia 14 de fevereiro é Valentine’s Day, data comemorada em diversos países de maneira bem parecida com nosso dia dos namorados.

E lá fui eu saltitanto pela rua com meu lindo presente.

Será que isso contribuiu pra eu ter gostado tanto da cidade?

Depois a jantinha foi regada a vinho e muita cerveja num pub do bairro. Os pubs de Londres foram outro ponto alto da viagem. Na maioria das vezes entrei sem nenhuma indicação e sempre me dei bem. Comidas e bebidas dos mais variados tipos e super boas em lugares agradáveis.

A volta pra casa foi das mais divertidas com uma louca bobalhona ainda mostrando suas tulipas.

Meu parque preferido

E eu não sei ao certo qual é…

Londres tem uma parque enorme bem no meio da cidade. Só que na verdade são dois: Kesington Gardens e Hyde Park. Como saber onde eu andava e qual gostei mais?

O nome Hyde Park é mais famoso, mas nas fotos abaixo, diversas vezes o que aparece é o Kesington Gardens. Acho que o lago é que divide os dois, mas não tenho nenhuma certeza.

Adorei os bancos

Se não dava pra sentar…

Fiquei hospedada a meia quadra de uma das entradas e no segundo dia em Londres, ao ver o céu super azul, nem pensei em outro programa que não fosse andar pelo parque.

De quem foi a ideia de atravessar o parque a pé dois dias após ter nevado? Sério, caminhei por quase duas horas em meio a uma geladeira! O sol estava ali pra iluminar e só… Quando passamos ao lado do lago só ficou pior.

Tirei algumas fotos, afinal não dava pra perder a paisagem ensolarada, mas na verdade minha vontade era correr até a saída. Falando em correr… como tinha gente fazendo isso e praticando outros esportes! Acho que o povo não tava sentindo o mesmo frio que eu.

Dá pra ver que os pássaros tão caminhando no gelo?

Logo congelado e congelante

De vez em quando eu ainda me divertia tirando foto

Não dá pra negar que ficou tudo mais lindo coberto de branco. Um contraste perfeito entre a neve, grama e árvores sem folhas.

Não fosse congelante demais, seria super romântico.

Só pra eu gostar mais um pouco do parque

O parque fica lindo com neve

Adorei esta foto

Quem nao sonha em ver as plantinhas cobertas de neve?

London London

Por que nunca tinham me dito que eu iria gostar tanto da cidade?

Super espontânea

Tá, várias pessoas me disseram que eu deveria conhecer Londres, mas ninguém me disse que ia amar. E eu nem sei dizer porque gostei tanto, mas pra mim tem tudo de bom que uma cidade deve ter. Muitos parques, museus – sendo a maioria de graça, bastante programação na rua e sempre uma loja diferente ou um café agradável pra entrar.

A cidade é plana, perfeita para longas caminhadas intercalando com trechos de bicicleta. Os clichês londrinos estão por toda parte. Dá pra ver pelas fotos né?

Red buses

Bus personalizado

Bikes para aluguel

Não me interessa o quanto digam que ela é cinzenta. Em uma semana na cidade vi várias vezes o sol, tendo passado inclusive um sábado super ensolarado – não que isso tenha amenizado o frio, mas foi suficiente pra me deixar bem feliz para fotografar os pontos turísticos mais famosos.

St. James Park

A gente tava quase igual

St. Paul’s Cathedral

O frio atrapalha um pouco, no inverno o dia acaba mais cedo, mas ao mesmo tempo a paisagem fica linda e aproveitamos a noite sem ter que ir dormir muito tarde. Fiquei impressionada com a quantidade de gente andando na rua.

Tudo bem que estava na região central, mas era muita gente mesmo.

Imagina no verão

Piccadilly Circus

Louca pra voltar no verão!!!

Ela brilha!

Por algum motivo obscuro eu ainda não escrevi aqui sobre um dos momentos mais emocionantes da viagem a Europa. Já falei o quanto era mágico ver a Torre Eiffel de vários lugares de Paris, mas deixei uma parte pra depois, ou melhor, agora!

No meio da primavera os dias já são loooongos e a noite só aparece pelas 22 horas. Então depois de aproveitar toda a luz natural ao ar livre e voltar pra casa pra se recompor, a programação noturna era basicamente comer.

Mas não podia deixar de ver a Torre iluminada… O local escolhido foi o Trocadero (excelente indicação do amigo de uma amiga) onde tem uma estação de metrô bem próxima com o mesmo nome. Este é um dos melhores pontos da cidade para vê-la, mas até chegar lá eu não tinha ideia do que realmente me esperava.

A Torre iluminada causa tanta emoção assim pra eu ter escrito aquilo na primeira frase? Pois é, sim!

Ela parece ainda mais imponente. Linda! Romântica!

Difícil saber o que é mais marcante, subir no topo ou vê-la à noite. Parece que não tem mais nada na cidade. Só a Torre Eiffel iluminadíssima e o feixe de luz azul girando sobre Paris.

Iluminada!

Eu estive lá durante a tarde

Tentando aparecer com ela

Eu já sabia que ela piscava, mas não sabia exatamente como, nem quando.

Foi exatamente a 1 hora da manhã, sem que eu estivesse esperando. Quase chorei de emoção! hehehehe Estava tentando tirar algumas fotos ainda e… tcharam! As luzes amarelas deram lugar a milhares de luzes brancas. Eu parecia uma criança, pulava de alegria.

Lindo! Lindo! Lindo!

Depois disso ela se apagou por completo, mas parece que ela pisca de hora em hora enquanto está iluminada e só depois da 1 hora da madrugada que se desliga até a próxima noite (bem no horário que eu estava lá).

Abaixo seguem umas tentativas de foto, já que não é muito fácil fotografar algo piscante, ainda mais em clima de euforia.

Aiai

😉

Toledo

As grandes cidades européias tem programação para vários dias e numa primeira vez em qualquer uma delas gastar o que você tem de mais precioso com deslocamento – que são as suas horas, parece uma verdadeira perda de tempo.

Toledo está aí para provar o contrário. Depois de tantos dias em cidades grandes, dependendo do metrô para conhecer os melhores pontos da cidade, quem sabe um lugar onde se chega a todos a pé?

Para chegar até Toledo é fácil, basta pegar um trem de Madrid e em meia hora tu estás na pequena e charmosa estação de trem da cidade. O interessante de Toledo está na sua parte antiga, no topo de uma colina, murada e muito bem preservada. E já que eu falei que era pra caminhar, o ideal é estar bem preparado. Caminha-se bastante mesmo e principalmente em subidas e descidas.

A chegada à cidade murada já é um encanto. Quem nunca sonhou em ver uma cidade medieval de verdade? E olha que eu acho que entrei pelos fundos. Meus amigos tem fotos da chegada à cidade por um lugar bem diferente. Eu achei lindos os portões, com uma ponte como caminho, de onde dá pra ficar horas fotografando. E aconselho ficar um pouco mesmo, a subida depois é um pouco cansativa.

Seria essa a porta dos fundos?

O segundo portão

Entre eles, uma bela paisagem

Olhando para trás no meio do caminho

Dentro dos muros a gente se sente em um filme. Muitas ruelas estreitas e prédios feito de pedra. As construções tem uma mistura de influências interessante. Ah, se eu soubesse um pouco sobre arquitetura… Aparentemente o local não se destina apenas ao turismo. Muitas casas ainda são residências mesmo.

A decoração também é medieval

E está em vários lugares

Algumas vezes mais discreta e charmosa

Imagine-se subindo essas ladeiras diariamente

Algumas vezes pode ser uma descida também

Caminhando pela cidade essa é a paisagem comum

Algumas vezes pode ser mais aberta

Podia ter errado o post e colocado aqui uma foto de Marraquexe

A Catedral de Toledo é o monumento mais famoso

A beleza da cidade está no conjunto, em grandes contruções e também em pequenos detalhes. Algumas esculturas chamaram a atenção. Um tanto quando bizarras, não?

Essa é até macabra...

E essa nem tão angelical

Os lugares que eu não conheci

Olha o que eu perdi… isso que passei ali do ladinho. Não fui um pouco por falta de tempo, mas principalmente por falta de planejamento.

Em Paris:

Ponte Alexandre III – a mais bonita de Paris

Saint Sulpice – ficou ainda mais famosa por causa do Código Da Vinci

Grand Palais e Petit Palais – lindos por fora e por dentro

Saint Eustache – tem o maior órgão de tubos do mundo, são 8000 tubos

Sainte Chapelle – se eu soubesse desso teto antes…

Lisboa:

Castelo de São Jorge – que vista!

O bom disso tudo é que não faltarão motivos para viajar mais 😀

Parecia legal

Mas não é!

Na Sagrada Família vendem um ticket conjugado para visitar a casa que Gaudí morou dentro do parque Güell. Praticamente dinheiro posto fora.

A casa tem alguns móveis originais da residência e outros que são obra do artista, tudo com pouca informação. Não valeu a pena.

Olhar a casa só de fora já está ótimo.

Por fora a casa é bem legal

Um charme, não?

Não dá pra dizer que foi uma roubada, já que ia até o parque de qualquer jeito e o valor do ticket era bem barato. Além disso, justamento por não ter muita coisa, o tour ali dentro dura pouco tempo.

Andando de teleférico em Barcelona

Subindo

Barcelona tem vários locais para ver a cidade de cima. O parque  Güell, as torres da Sagrada Família, o parque Montjuïc e o teleférico que vai até ele.

A viagem começa na torre da foto acima, com a visão da praia bem de perto. O teleférico é tipo bondinho, com várias pessoas, umas 20 eu acho, todas de pé.

O prédio ao fundo é mais um símbolo da cidade

Marina

Me

Rambla

O bondinho vai bem devagar e dá para observar e fotografar bastante a cidade. Barcelona atrai muitos turistas no verão e alguns chegam até de navio. Na subida pra Montjuïc passamos por cima de alguns e a galera tava lá curtindo o dia de sol.

Galera chegando pro verão

Invejinha

Na chegada ao parque é necessário caminhar um pouco até o outro teleférico. Este é diferente, é menor, cabem umas 4 pessoas, que vão sentadas. Aqui o legal não é ficar olhando pra cidade, mas sim pro parque mesmo. O ponto final é o castelo do post anterior.

Subindo, again!

Montjuïc

Ah, que vontade de estender uma canga e me atirar nesse gramado!

Montjuïc

Um dos lugares mais legais de Barcelona é o parque Montjuïc, uma colina em frente a zona portuária da cidade e com uma vasta área verde. O parque foi sede das Olimpíadas de 1992, o que é facilmente identificado ao se avistar o monumento abaixo:

Símbolo das olimpíadas de 92

Caminhando pelo parque

Não fui ao estádio olímpico, mas passei em frente às piscinas, utilizadas provalmente para as provas de salto, e elas estão completamente abandonadas. Um desperdício.

Outra atração é a Fundação Miró, espaço criado pelo próprio artista para expôr suas obras. Em volta estão algumas esculturas e na entrada o amigo aí:

Como não fotografar?

Pra chegar até lá um jeito legal é de teleférico. E sabe um programa legal lá no parque mesmo? Andar de teleférico! dãaaa :-p bem abobada, mas é verdade e eu conto isso num outro post.

Outra maneira de chegar é de ônibus mesmo, quando tu vai passar pela frente do Palácio Nacional, construção maravilhosa que abriga o Museu Nacional de Arte da Catalunha e que… não visitei 😉 Fui duas vezes ao Montjuïc e desas duas maneiras. Pra ir embora numa delas fui a pé a na outra de funicular + metrô, que também é uma opção para ida.

Palácio Nacional de Barcelona

Mas a atração do parque que mais gostei foi o Castelo de Montjuïc, antiga fortaleza da cidade que está sendo transformado em centro cultural. O lugar fica no topo do morro e tem uma vista incríval. Além da cidade é possível ver o porto bem de pertinho e várias praias.

Fortaleza

O lugar é muito bem conservado

Adoro essas paredes tomadas pelas plantas

Tem alguém ali!

Nada como um dia de céu azul para fotografar

Contraste

Os canhões ainda estão lá

A cidade

Porto de Barcelona