Koutoubia

Este é o nome da mesquita mais famosa de Marraquexe e que já apareceu aqui algumas vezes. Fica dentro da medina, bem próxima a Jemma El Fna. Achei o nome bonito, pelo menos do jeito que eu pronuncio: K-O-U-T-Ô-U-B-I-A.

Minarete é como se chama a torre de uma mesquita. O da Koutoubia é a construção mais alta da cidade. Se Paris tem a torre Eiffel pra te guiar, em Marraquexe é este minarete que te ajuda.

Como tu vai todos os dias a praça, passa todos os dias por ela.

O minarete e o poste que eu também já mostrei

Agora sim um ângulo diferente

Da Jemaa El Fna

Pessoal calçando os sapatos na saída da mesquita

O céu super azul deixa qualquer foto bonita

Rá! Olhem como é fácil se confundir. As duas últimas fotos não são do mesmo lugar :-p Marraquexe tem muitas mesquitas, por tudo mesmo. É bem fácil de identificar uma, tem um entra e sai de homens interminável.

Anúncios

Algumas coisas que eu não contei

Ou se contei, vou repetir!

Andar na Jemaa El Fna às vezes é estressante. Tem que cuidar pra não pisar em cobra, não ser atropelado e tem sempre alguém que tenta colocar uma cobra em volta do teu pescoço, de mentira ou de verdade.

O Marrocos tem muitas especiarias e cosméticos naturais. Existem farmácias imensas só de produtos de lá. A gente comprou um monte de coisas e torrou uma grana!!! Na praça as mesmas coisas são vendidas bem mais barato. Opa, não são as mesmas coisas. Eu comprei um óleo de massagem baratinho na praça… só que era óleo de cozinha! Ecaaaaaa!

Embora eles tenham esse monte de temperos, a comida não é lá essas coisas de diferente e saborosa,  e não é nada apimentada.

A gente comeu e bebeu as coisas da rua e ninguém passou mal.

Azeitona pro happy hour com cerveja gelada é uma delícia.

Dentro da Medina não há bebida alcoólica, só tomamos no hotel mesmo. Cerveja só tinha uma marca, de uma garrafa bem pequena, servida sempre geladíssima.

Marraquexe é uma cidade pra gente que tem dinheiro, tem hotéis super luxuosos lá. O povo acha que todo mundo que vai pra lá é rico e tenta ganhar um pouco desse bolo. A cidade por sinal não é uma cidade pobre, é tudo muito misturado (Brasil, sabe?).

Uma refeição custa o mesmo que na Europa (em restaurante do mesmo estilo, claro).

Assim como os prédios tem uma cor padrão, os táxis também tem. Um creme/bege horrível. Os táxis em geral são grandes e velhos. Tem muita Mercedes nesse estilo, o que permite que 5 pessoas peguem um só.

A cidade é bem barulhenta. Calmo mesmo só no hotel.

Marraquexe é longe do Saara.

Ficamos a quantidade de dias errada – 3 noites. Ou ficávamos mais pra dar uma volta no deserto ou menos que já dá pra aproveitar a cidade super bem.

Problemas de sinal?

Bonito, né?

Pois é, em Marraquexe acho que eles sofriam com isso.

Não é assim tão fácil tirar uma foto como essa aí de cima. O normal é como mostro a seguir:

hehehe

Os tiozinhos que vendem e instalam as antenas devem estar ricos!

E lá vamos nós

Desta vez, visitar um cemitério! Tava no guia e a gente foi.

Na verdade o local é um grande mausoléu, chamado Saadian Tombs, onde estão os corpos de dezenas de pessoas ligadas à família real marroquina de alguns séculos atrás.

Aconteceu que achamos que era ir lá visitar e pronto, mas sem um guia não tem graça. Não se aprende nada além do que está escrito no guia de viagem, que por sinal, é bem pouco.

O mausoléu é composto de alguns salões, acredito eu que com os túmulos dos mais importantes, e alguns túmulos ao ar livre. Quanto mais ornamentado o túmulo, mais importante era a pessoa. Não há nenhuma identificação para saber a quem pertence.

O primeiro salão

O mausoléu é repleto de texturas

O salão das 12 colunas

As colunas são de mármore italiano

A parte externa

Achei esse o lugar mais bonito, mais colorido

Sério, não há nenhuma preferência por programas como este. Foi realmente por acaso que na mesma viagem visitamos as Catacumbas de Paris e a Capela dos Ossos em Portugal. Este foi o mais agradável.

Os jardins de Marraquexe

Imagem clássica de Marraquexe

Passeio para uma manhã ou tarde em Marraquexe é visitar os jardins da cidade. São dois os mais famosos, o Menara e o Majorelle.

O Menara na verdade não é um jardim, e sim um parque com a vegetação típica do lugar, ou seja, bem árido mesmo. No meu guia de viagem havia indicação para assitir a um espetáculo no lago artificial, mas quando estive lá não havia nada programado. Não ficamos mais do que 20 minutos no lugar.

Oliveiras

Menara Garden

De lá fomos para o Majorelle, esse sim bem colorido e com cara de jardim. São plantas de vários lugares do mundo, levadas até lá por um artista francês que quis construir um cantinho mais agradável em meio ao deserto.

Os cactos são a maioria

Até eles garantem um colorido

Claro que o lugar é super agradável, afinal se caminha o tempo todo à sombra, além de escutar apenas o som dos pássaros. É um dos poucos lugares que não se ouve o barulho da cidade e rende fotos muito legais também. O lago é um dos melhores lugares para fotos.

O lago do jardim

Adoro essa flor que não sei o nome

As tartarugas tão meio safadas

Além das plantas garantirem um bom colorido ao lugar, as paredes, pilares e a fonte são azul roial, garantindo um contraste bem bonito. Vasos de planta em geral são amarelos ou vermelhos, tudo muito “gritante”.

A fonte é mais um lugar legal no jardim

Este clique bala é da minha amiga

Mais um clique by Rafa

Se a cidade tá cheia de portas legais, aqui o destaque são as janelas.

Janelinhas simpáticas

No meio das plantas ficam mais legais ainda

Bem boni!

Night na Jemaa El Fna

Eu disse no post anterior que durante a noite a confusão diminui nas ruas de Marraquexe, mas não na praça. Acaba o som das flautas e começa o dos tambores. Formam-se rodinhas em volta daqueles que estão batucando, quase uma festinha, e quase todos são marroquinos mesmo.

Por sinal, isso é algo que achei legal lá. A programação turística é bem integrada com a da população local. Ir a praça não é um programa só pra turista ver. O povo vai lá pra se divertir também.

Movimentação à noite é maior

A praça também se transforma num imenso restaurante. Todo fim de tarde são monstadas dezenas de barraquinhas com “cozinha” e mesa para os clientes. As comidas são as típicas do Marrocos que… adivinha? Não fotografei nem sei o nome. Mas ali é basicamente escolher as carnes que serão assadas em pequenos espetnhos, pão e alguns tipos de acompanhamento, como cuzcuz. Ah, de entrada claro que tem azeitona.

O approach é um pouco chato. Até te sentar em algum lugar vão ficar te chamando e te empurrando pra uma mesa, mas depois o atendimento é tranquilo, atencioso eu diria.

Chegando pra jantar

Chamando a galera pra janta

Turistas e população local se misturam

Adoro fotografar as marcas

Uma coisa que tem na praça o tempo todo são as carrocinhas de suco de laranja e frutas secas. Um paraíso para que gosta! O suco custa centavos de euros e é gelado e bem gostoso.

O suco de laranja é baratinho e delicioso

Frutas secas da região

Tâmaras?

Pôr do Sol em Marraquexe

Este é um dos momentos mais legais do dia.

É quando os terraços dos prédios ficam cheios de gente, em geral tomando um chá de menta.

Momento especial em Marraquexe

O sol vai descendo e a cidade começa a ligar as luzes.

A quantidade de gente na praça vai aumentando e a confusão nas ruas diminuindo.

As cobras são levadas embora, ufa!

Jemaa El Fna

Burburinho

Os souks também ficam mais charmosos

As lamparinas ficam ainda mais atrativas

A luz artificial, em geral não muito forte, vai criando um clima de romance.

Meia luz

E o que dizer quando a noite que chega é uma noite de lua cheia?

Delírio

Os muros da medina

1 Souk, 2 Souks, 3 Souks

Os souks são grandes mercados de corredores estreitos que vendem de tudo, tudo mesmo. É nestes corredores que as cores tomam conta e a gente fica tonta e acha que precisa trazer tudo pra casa. Uma luz me iluminou e eu aguentei firme a tentação dos tapetes, um dos artigos mais famosos da cidade.

Num dos muitos corredores

Tapetes

Big loja de tapetes

Ao ler os guias sobre Marraquexe vi que teriam souks de diferentes tipos de artigos, como tecidos, temperos, metais… mas a real é que a gente acaba não percebendo quando sai de um e entra em outro. Melhor do que falar o que vendem por lá, é mostrar um pouco. Olha aí.

Pratos de todos os tipos

Pratos pintados a mão

Lamparinas

Vidros de perfume

Espelhos

Potinhos

A Mão de Fátima, para dar boa sorte

Lustres

Flautas e bules

Tudojunto

E misturado

Frutas secas e azeitonas

Temperos e cosméticos

Chás

Mais temperos e chás

Tentar se achar por um mapa é impossível (pelo menos foi pra gente). Ou tu te localiza sabendo mais ou menos se tem que ir em frente, dobrar ou voltar atrás, ou contrata um guia para não se perder. Se fores um perdido completo e não quiser contratar um guia, melhor não ir muito adiante nos souks.

Além das diversas lojinhas pequenas no corredores intermináveis, de vez em quando tu vê uma portinha (ou até uma portona) entra nela e acaba em uma loja imensa. São lojas de tapetes, artigos típicos, quadros, antiguidades.

Passeamos por ali todos os dias, até porque o souks iniciam junto a praça Jemaa El Fna, e o melhor é não sair comprando na primeira vez, barganhar é obrigatório.

Cores, formas e texturas

Já contei que em Marraquexe as construções tem todas a mesma cor, um rosa-salmão-pastel. Acho que é por causa da proximidade com o deserto, deve facilitar na hora de esconder a sujeira.

Pra compensar, muitas formas, texturas e detalhes em outras cores.

No muro da medina, o padrão



Jemaa El Fna

É lá que quase tudo acontece em Marraquexe. A praça fica dentro da medina e tem programação diurna e noturna, além de ser o ponto de entrada nos souks.

Durante o dia o som das flautas toma conta. Flautas? Sim, fazem parte do “show”. Encantadores de serpente se espalham pela praça, eles e suas cobrinhas. É meio difícil explicar o calafrio que dá só de ver. Chegar perto? Nem pensar! Nem vou contar que eles andam com algumas cobras no pescoço e te oferecem pra tocar nelas. UI!

Amiga!

Vai encarar?

Isso é o mais perto que consegui chegar

Moças tatuadoras também ficam por ali durante o dia. Quase todas mulheres veste a burca ou pelo menos um lenço cobrindo o rosto.

Vai uma henna, aí?

Outra figurinha que tá sempre na praça é o vendedor de água (na verdade tem mais de um). Com seu chapéu inconfundível, ele zanza o tempo todo e serve sempre no mesmo copo a água que tem dentro do tamanduá (?! nãofaçoideiaquebichoéesse) que fica pendurado nas costas dele. Acreditem, vi muitas pessoas bebendo a água dele.

Quer um gole?

O tio se atualizou na moda, usa crocs

Na entrada da praça fica a mesquita com o minarete mais alto da cidade, e que por isso acaba saindo em muitas fotos. É dali que saem os passeios de charrete também. As barraquinhas de suco laranja e frutas frescas estão sempre lá.

A praça vista de cima de um terraço

Em volta estão dezenas de restaurantes típicos marroquinos em prédios cheios de detalhes, texturas, lustres coloridos… Cada um com seu terraço, que durante o dia fica vazio por causa do calor, mas lota fim de tarde.

À noite a praça muda completamente. Todas as tarde são montadas dezenas de barracas de comida, criando um imenso restaunte. Vou mostrar isso mais tarde, ok? Qualquer coisa que tu acha que ficou faltando neste post provavelmente vai merecer um post a parte. Embora Marraquexe possa ser visitada em poucos dias, contar e mostrar o que se vê pode render muitos posts.