Cabo da Roca

E mais uma coisa

A primeira foto diz quase tudo e a segunda o resto: a ventania ali é um horror!

Estou atrás do cabelo

O Cabo da Roca fica em Sintra, cidade litorânea, bem próxima a Lisboa, repleta de morros e com a natureza bem preservada.

Por causa da altitude e do verde abundante a cidade é bem mais fria que Lisboa e costumava ser o refúgio dos reis no verão.

Anúncios

Brasil colônia

Escrevi no post sobre Évora que me senti em Salvador caminhando por aquelas ladeiras, mas não foi só lá que isso aconteceu.

Não há dúvidas de que os portugueses simplesmente replicaram o que tinham feito no seu país aqui na colônia. No Brasil as cidades que conheço e que mais carregam até hoje as “modelagens” arquitetônicas de Portugal são Rio de Janeiro e Salvador. Então além de nós falarmos a mesmo língua, ainda temos várias outras coisas em comum.

Eu não fazia ideia de que existiam elevadores em Lisboa como temos em Salvador.  Bem pertinho do nosso hostel está o Elevador de Santa Justa, que liga o bairro baixo e o bairro alto. Ele é todo de metal e fica escondido entre os prédios da região, mas ao passar pela rua é impossível não vê-lo, principalmente pela fila de pessoas querendo subir.

Eu acabei não subindo. Sabe aquelas lugares do ladinho de casa que tu nunca vai?

Elevador de Santa Justa

Elevador

O topo

Mas não foi só a arquitetura que ficou por aqui. Olha o nome da companhia de transporte em Lisboa no bonde ali em baixo. A velha conhecida dos portoalegrenses, Carris. Pena que só o nome é igual, já que lá o serviço é beeem melhor. Além de um bom serviço, o legal é que em Lisboa dá tranquilamente pra pegar o bonde e ir pra maior parte dos pontos turísticos e ainda é possível escolher entre os novos e antigos.

Carris

O melhor albergue do mundo

Tá lá gente, na capa do hostelworld.com há meses!

O Travellers House é o melhor hostel do mundo na opinião de um montão de gente e na minha também.

Num prédio antigo completamente reformado no centro de Lisboa fica este albergue que está muito acima de qualquer expectativa. Reservei para as 2 últimas noites da viagem, dias em que a gente pensa muito em voltar pra casa, e este lugar me fez querer ficar mais.

Fomos rececibido pelo João, gente muito boa, daquelas pessoas que são super simpáticas, sem serem chatas, que além de nos receber muito bem, ainda deu uma ótima dica de almoço ali pertinho, onde comi um bife ao café indescritível.

Sabe qual o único problema do lugar? Escadas! Tu passa o tempo todo subindo e descendo. No primeiro andar ficam alguns quartos e as áreas de uso comum, que são a recepção com 1 minibar, sala de estar – onde rola uma janta toda noite, sala de TV, sala de computadores, sala para comer – não pode comer nos outros ambientes – e cozinha, que tem suco, café, leite e chá free o dia todo. Todos lugares muito bem equipados e com decoração impecável.

Adorei a decoração

Lustres e espelhos bem posicionados

Anúncio da janta da noite

Na hora da janta a sala de estar fica lotada

Claro que nessa hora pode comer por ali

Sala de computadores - 3 Mac novíssimos

Guias de viagem do mundo todo

Nossos quartos eram todos no terceiro andar e todo mundo recebe um cartão para acessar o seu andar e seu quarto (em alguns é chave normal), ou seja, só teus vizinhos de andar vão circular por ali e usar o mesmo banheiro que tu. Em 6 pessoas pudemos experimentar diversos tipos quartos.

  • compartilhado para 4 pessoas, misto: 2 beliches, com camas grandes, equipados com vários porta trecos e um locker onde realmente cabe tua mala.
  • individual: tamanho bem adequado para uma pessoa.
  • casal: pagar mais caro em hotel pra quê mesmo?

Além deste, Lisboa sempre tem mais um hostel entre os 10 melhores do mundo (mais um ponto para Portugal :-p), e não foi esse meu único critério de escolha, mas não poderia ter sido melhor.

Ah, mais um detalhe. Dentro do prédio tem uma clínica de odontologia perdida no segundo andar, o único que não pertence ao hostel. Vai que precisa, né?

ps.: final de viagem a gente esquece de tirar foto e as poucas que tirei não mostram tudo que eu queria 😦

Mais uma igreja na viagem

Já falei aqui no blog que se vê muita igreja na Europa, que fiz um programa bizarro cheio de ossos e que minha amiga queria muito ir a Portugal né?!

Pois é, misturando tudo isso…

Eis que a tal amiga passou grande parte da viagem dizendo que tempos atrás tinha visto uma reportagem no jornal sobre uma igreja em Portugal feita de ossos e onde estava escrita a seguinte frase: Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos.*

Chegamos em Portugal, fomos pra Évora, pegamos o folheto de informações turísticas e… claro que era lá a tal igreja!

Alguma dúvida?

Mal batemos o olho no folheto e já vimos a indicação para visitar a Capela dos Ossos. Sério, ela só pode ter combinado com a amiga portuguesa! :-p

A capela, que  fica nos fundos da igreja de são Francisco, foi construída por 3 padres no século XVII com os ossos retirados do cemitério da cidade e tem na sua entrada a famosa frase tão repetida pela minha amiga.

A frase

As paredes e pilares são completamente preenchidos com ossos, deixando muitas caveiras a mostra e tem ainda alguns equeletos completos pendurados.

O ambiente não é claustrofóbico como o das catacumbas em Paris, mas deixa a grande dúvida da motivação desses monges para a construção deste lugar.

Detro da capela

Detalhe da parede

Muitas caveiras

Socorro!

*nem vou contar que foi a mesma amiga que sugeriu as catacumbas em Paris

Évora

Évora foi parar no nosso roteiro praticamente meia hora antes de irmos até lá.

Ao chegar em Lisboa a amiga que nos recebeu deu boas recomendações para que fôssemos até a cidade. Seria um pequeno desvio no caminho para Lagos e uma ótima alternativa para o almoço.

Mais um ponto pra Portugal 😀

A cidade antiga, rodeada por muros, causa uma confusão mental em qualquer brasileiro. Não estaríamos nós no Pelourinho em Salvador?

Só eu que achei igual?

A cidade mistura o antigo com o muito antigo.  Da estrada se vê o aqueduto construído no século XVI e muito bem conservado. Na parte de dentro dos muros a população encontrou uma maneira de aproveitar os pilares.

Aqueduto visto de fora da cidade

Aqueduto

Reutilização de materiais

A parte entre os muros é cheia de lombas, mas não muito extensa, e com várias atrações. Num dia bem aproveitado dá pra ver quase tudo.Dá pra ver pelas fotos que não tinha uma nuvem pra esconder o sol né? Pois é, o verão não é a melhor época para subir e descer essas ladeiras!

É incrível como numa área tão pequena tem tantas igrejas. Abaixo está catedral de pedra que foi construída entre os séculos XII e XIII, mas praticamente em todas as fotos aparece uma diferente.

Catedral

E o que é realmente muito antigo? O Templo de Diana, construção romana do século I. Perto do templo, as outras construções da cidade até parecem novas.

Templo de Diana

O antigo e o muito antigo

Évora é destino de muitas moradores de Lisboa para almoços no final de semana. Está a mais ou menos 80 Km da capital. A carne de porco parece ser a especialidade do lugar pelo que pude ver nos cardápios, mas eu acabei comendo bitoque, que nada mais é do que nosso conhecido à la minuta. Bem bom.

Portugal

Montar um roteiro é sempre uma indecisão. Quanto mais gente viaja junto, mais confuso fica.

Uma das minhas parcerias na viagem pra Europa disse desde o começo que iria para Portugal, nem que fosse sozinha. Papo vai, papo vem, acabou que todo mundo quis ir pra lá. 2 dias em Lisboa e 4 em Lagos.

Fomos de Madrid até Lisboa num trem noturno (opa, isso merece um post), alugamos um carro e nos mandamos pra estrada.

Sábias decisões ou pura sorte? Não interessa, o importante é que todo mundo amou!

Recomendo Portugal pra qualquer pessoa, com qualquer idade e especialmente praqueles que tem receio de ter problemas com a língua. É um país de gente simpática, bem organizado e que fala a mesma língua que nós :-p

Praias lindas, uma capital com muita coisa pra ver e fazer e comida de todos os tipos e pra todos os gostos, uma melhor do que a outra.

Vou contando mais aos poucos.

Parque Güell

O parque, no alto da cidade de Barcelona, mais parece uma brincadeira. Gaudí usou sua criativadade para misturar suas obras à natureza. Muitas pedras e curvas criam formas que fazem parte da paisagem.

A ida ao parque está muito mais pra um passeio cultural do que para um picnic ou momento de descanso. Pra começar, chegar lá já cansa um pouco. Da estação de metrô mais próxima ainda é necessário caminhar uns 20 minutos, sendo que grande parte subindo!

Encare a ida até lá como mais uma visita às obras de Gaudí. É quase um programa oficial de quem vai a Barcelona (meu irmão deve ser o único que conheço que não foi) e o lugar fica tão cheio quanto as ramblas. Além de nós (turistada), o lugar é palco de vários artistas de rua, principalmente daqueles bem barulhentos, tocando seu instrumento ou com uma caixa de som estourada a todo volume.

As fotos estão um pouco ruins porque o dia estava nublado (dá pra perceber) e minha especialidade é com certeza o sol! 😉

De longe o verde toma conta

Passarela disfarçada

Mirante

Detalhe da mureta e vista da cidade

Do mirante

Na foto abaixo nem dá pra perceber a quantidade de pessoas que andavam por lá, mas também não dá pra escutar a música que tocava hehehe.

meio louca

Eu e minhas manias

Eu gosto de viajar e gosto de tirar foto. E sabe uma coisa que eu gosto de fotografar? Postes!

Madrid

Madrid

Adoro procurar ângulos em que eu fotografe algo que todo mundo costuma fotografar, mas enquadrando um poste legal junto.

Claro que quando escontro um poste superestiloso ele acaba virando o personagem principal. Que tal este aí de baixo? No Parque del Oeste em Madrid tem mais de um risonho desses.

Parque

Olhando as fotos da viagem pra Europa dá pra perceber que Paris é a cidade que fui com mais postes bem posicionados pros meus cliques. O poste que fotografei junto a Torre Eiffel é estiloso e eu gostei bastante do resultado da foto. Outra coisa que percebi é que eles tem todos um estilo bem parecido, mesmo quando tem uma, duas ou mais lâmpadas.

Torre

Catedral de Notre Dame

Alguns tem até uma função a mais, como estes também em Paris.

postenomederua

posteplacadetrânsito

Logo abaixo tem um modelinho diferente dos anteriores, pendurado na parede. A foto foi tirada em Évora, Portugal. Um jeito bem menos “poluído” de iluminar a rua.

Évora

Trocando um pouquinho de continente a diferença já é enorme. Olha que lindo esses postes com as lâmpadas em cascatas no Marrocos. Não pude deixar de enquadrá-los junto ao minarete mais alto de Marraquexe.

Marrquexe

A catedral de Madrid

Se tem uma coisa que se vê muito pela Europa é igreja (catedral, basílica e tantas outras que não sei a diferença). São várias em cada cidade, incontáveis nas grandes. Cada uma com sua história. Seja pela arquitetura, algum frequentador ou casamento importante no local. Aí tu olha, para, fotografa, entra e fotografa mais um pouco.

Depois de alguns dias (e algumas cidades) tu começa a selecionar melhor o que quer fazer e não observa tanto assim ao teu redor.

Eis que em Madrid, que eu já disse que não planejei nada, fui levada até a catedral. Adorei! Lindo! Diferente! Não sei nada de arquitetura, mas é inexplicável a combinação de portas esculpidas, teto colorido, um órgão gigante e os vitrais super clean, mas perfeitos!

Uma das portas da catedral

Em detalhe

O teto

Teto 2

O órgão

Vitral nem tão simples

Fofo!

Fui completamente surpreendida!